segunda-feira, 18 de abril de 2016

O dia que o Brasil (se) perdeu

Era para ser uma votação de parlamentares sobre o Impeachment de uma presidente, mas parecia mesmo o Show da Xuxa: gostaria de mandar um beijo para minha mãe, minha mulher, meu filho que ainda não nasceu e pro filho do meu filho que ainda não nasceu, pro meu periquito, etc... Como foi bem lembrado nas redes sociais, esses palhaços devem prestar contas a nós, eleitores, e não a família deles. Não era Show da Xuxa, mas foi show de horrores. 
Era pra dizer sim ou não, mas o que ouvimos foi: Em nome de blá blá blá blá blá blá. Em homenagem a Fulano, Beltrano e Sicrano. Em nome de deus..? Hã? Era uma assembleia de parlamentares, mas parecia mesmo uma convenção de pastores. E do jeito que a coisa anda, deus está correndo sérios riscos de ser o próximo investigado da Lavo Jato, porque se ele anda de amizade com metade dos que o invocaram, ele anda muito mal acompanhado...
Nunca senti tanta vergonha do meu País como enquanto ouvia as asneiras proferidas por essas excrescências. Como é possível alguém se pronunciar contra a corrupção alegando que o próximo governo (Temer/Cunha?) representa uma esperança de um País melhor, de uma política ética?
A Câmara parecia um clube em dia de baile de carnaval, nem confetes faltaram. E os bobos da corte eram todos aqueles que ainda acreditam (ou será que fingem acreditar?) que ao tirar o PT do governo estarão acabando com a corrupção no País. Grande parte dos deputados não passava de Arlequins: fanfarrões, cínicos e briguentos. Piadistas querendo iludir os incautos Pierrôs vestidos de verde e amarelo Brasil afora. 
Fomos golpeados de todas as formas possíveis. A falência do nosso modelo político ficou patente nos votos em causa própria. São tantas siglas (PTN, PHS, Solidariedade, PROS, PTB, PRP, PPS, PRB, PEN, PMB, PSC, e por aí vai) que me pergunto: será que eles sabem o que o partido defende? Qual o projeto de país que representam? Será que essa proliferação de siglas representa, de fato, algum projeto de país? A infidelidade partidária brasileira é um fenômeno a ser investigado. 
É cedo para dizer quais serão as consequências das atitudes irresponsáveis, mesquinhas e egoístas desses parlamentares. Mas não foi surpresa. Apenas os mais desavisados não sabiam que estamos nas mãos de um parlamento conservador e atrasado, que defende torturadores, que é contra os direitos trabalhistas, que é machista, homofóbico e, acima de tudo, hipócrita. Que fala de corrupção de maneira seletiva. 
O PT não é vítima, não é inocente, mas está colhendo os frutos de escolhas e estratégias condenáveis que os colocou de mãos dadas com bandidos históricos. E esses mesmos bandidos agora fizeram o que melhor sabem fazer: viraram a casaca, apunhalaram, traíram, como ratos fugiram do barco que ajudaram a afundar. Não dá pra sentir pena do PT, mas é de se lamentar que tenham chegado tão baixo. Mesmo assumindo as culpas e os crimes que o PT cometeu, não é possível comemorar um processo conduzido por um réu, um facínora, criminoso, cínico e descarado como Eduardo Cunha. 
Quem está querendo se enganar vai ser cobrado também por suas escolhas. 
Estamos perdendo a chance de passar a nossa história a limpo. Estamos escolhendo o caminho imediatista, atendendo de bom grado aos apelos de caráter econômico, às promessas de que a economia voltará a crescer, de que Temer representa uma possibilidade de botar o país nos trilhos. Estamos entregando a horta para os cabritos vigiarem. Tão logo estejam confortáveis e seguros, não teremos mais notícias de Lava Jato, de investigações, de denúncias. O Brasil perdeu hoje: perdeu para o oportunismo, para a hipocrisia, para o revanchismo, para a falta de bom senso, para a irracionalidade, para paixões escusas. A comemoração dos deputados, em ritmo de final de copa do mundo, depois do desfile de disparates por eles pronunciados, não deixa dúvidas: estamos perdidos. 

Nenhum comentário:

Sobre o que se fala

cotidiano Poesia opiniões utilidade pública Dicas atualidades política Rapidinhas opinião atualidade Campinas Conto educação crônica São Paulo Minas Gerais cinema observações Misto escola Brasil Delfim Moreira coisas da vida música Barão Geraldo divulgação eleições coisas que fazem bem da vida passeios Bolsonaro Comilança Filosofia revoltas amigos paixão preconceito; atualidades Futebol Literatura coisas do mundo internético criança do eu profundo coisas de mineiro coronavírus de irmã pra irmã ensino política; sobre fake news virada cultural amor consumo consciente desabafo distopia ideologia infância lembranças manifestação mau humor mágica redes sociais reforma da previdência música Poesia 15 de outubro 20 de novembro 8 de março Anima Mundi Ciência Eliane Brum Itajubá Moro Oscar Posto Ipiranga adolescência amor felino animação; autoverdade balbúrdia baleia azul. cabeça de planilha clã Bolsonaro comunicação consciência negra corrupção coti crime curta; crônica; curtas; concurso; festival curtas curtas; crônica; da vida; debate público defesa democracia democracia liberal descobrindo o racismo discurso divulgação; blogs; poesia documentário economia família façamos poesia; fim das sacolinhas plásticas final de ano; início de ano; cotidiano; frio férias; Dicas. divulgação; atualidades; férias; Dicas. divulgação; atualidades; Campinas férias; viagens; da vida; gata guerra de narrativas hipocrisia história humor identidade de gênero impressa lei de cotas leitura leitura; mentira mídia música Poesia novidades orientação sexual para rir próxima vida pós-verdade racismo estrutural racismo institucional rap saudade ser professor (a) séries tecnologia tirinhas universidade utopia verdade verdade factual viagem

Amigos do Mineireces